Perda Auditiva Induzida por Ruído (Pair) é a perda provocada pela exposição por tempo prolongado ao ruído. Configura-se como uma perda auditiva do tipo neurossensorial, geralmente bilateral, irreversível e progressiva com o tempo de exposição ao ruído (CID 10 – H 83.3).

Consideram-se como sinônimos: Perda auditiva por exposição ao ruído no trabalho,perda auditiva ocupacional, surdez profissional, disacusia ocupacional, perda auditivainduzida por níveis elevados de pressão sonora, perda auditiva induzida por ruído ocupacional, perda auditiva neurossensorial por exposição continuada a níveis elevados de pressão sonora de origem ocupacional.

Quando o ruído é intenso e a exposição a ele é continuada, em média 85 dB por
oito horas por dia, ocorrem alterações estruturais na orelha interna, que determinam a
ocorrência da Pair (CID 10 – H83.3). A Pair é um dos agravos mais frequente à saúde
dos trabalhadores, estando presente em diversos ramos de atividade, principalmente
siderurgia, metalurgia, gráfica, têxteis, papel e papelão, vidraria, entre outros.

Além dos sintomas auditivos frequentes – quais sejam, perda auditiva, dificuldade de
compreensão de fala, zumbido e intolerância a sons intensos – o trabalhador portador
de Pair também apresenta queixas como cefaleia, tontura, irritabilidade e problemas
digestivos.

Quando a exposição ao ruído é de forma súbita e muito intensa, pode ocorrer o trauma acústico, lesando, temporária ou definitivamente, diversas estruturas do ouvido. Outro tipo de alteração auditiva provocado pela exposição ao ruído intenso é a mudança transitória de limiar, que se caracteriza por uma diminuição da acuidade auditiva que pode retornar ao normal, após um período de afastamento do ruído.

A avaliação audiológica periódica permite o acompanhamento da progressão da perda auditiva, que pode variar de acordo com a intensidade e com o tempo de exposição,
além da suscetibilidade individual. A velocidade da progressão da perda auditiva determinará a eficácia das medidas de proteção tomadas e a necessidade da aplicação de outras. Os efeitos extra-auditivos devem ser considerados nessa avaliação, apesar de não serem previstos pela legislação.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! 😉